Após a leitura, classificarei os livros assim:
Péssimo [0] Ruim [*] Regular [**] Bom [***] Muito Bom [****] Excelente [*****]

Freud [***]



Rousas J. Rushdoony
Editora Monergismo
104 Páginas


"Enquanto o homem enxergar a culpa como um problema da ciência e não da religião, a influência de Sigmund Freud permanecerá impregnada na mente do homem moderno. Freud foi um arquiteto da mente moderna - um construtor profano - como Marx e Darwin. Ele foi também um inimigo da religião - especialmente da Bíblia e dos seus padrões absolutos. Ele cria que o teísmo bíblico era a 'ilusão' que compunha o problema de culpa central do homem. Freud queria que o homem aceitasse seu predicamento moral sem referência ao pecado... Essa análise de um dos personagens mais insidiosos da história fornecerá discernimento para o ataque moderno que busca abolir o cristianismo e o pensamento bíblico".

A Visão Transformadora [**]




Brian J. Walsh, J. Richard Middleton
192 páginas

"O que modela com eficácia a vida pública e a sociedade é a submissão generalizada à ciência, à tecnologia e ao crescimento econômico. Na maior parte do tempo o Cristianismo fica de lado e, simplesmente, observa.
Uma cosmovisão nunca é meramente uma visão da vida. É sempre uma visão, também, para a vida. Nossa cosmovisão determina nossos valores. Ela nos auxilia a interpretar o mundo ao nosso redor.
O desejo dos autores é que haja mudança. Nisso eles vêem a vida, o direcionamento e a esperança de que nossa sociedade tanto precisa".

Onde os Velhos Não Têm Vez [***]



Cormac McCarth
Editora Alfaguara
256 páginas

"Escritor elogiado pela crítica, com os prêmios Faulkner Award, National Book Award e National Book Critics Circle Award no currículo, Cormac McCarthy apresenta em Onde os Velhos Não Têm Vez um "faroeste sem compaixão", que lembra os filmes de Quentin Tarantino, como bem comparou o jornal The New York Times. O livro mistura ação, suspense e violência numa prosa ágil e enxuta. Ambientado nos anos 80, na fronteira do Texas com o México, a trama tem três personagens centrais: Llwelyn Moss, um caçador que acidentalmente encontra um carro com corpos crivados de bala, um carregamento de heroína e mais de dois milhões de dólares abandonados no meio do deserto; o xerife Bell, encarregado de investigar o caso; e o psicopata Anton Chigurh, contratado por um cartel para reaver o dinheiro. Quando decide pegar o dinheiro e fugir, Moss passa de caçador a caça. A narrativa se transforma, então, em uma eletrizante história de suspense e perseguição, em que cada personagem parece determinado a encontrar a resposta à pergunta que um deles faz: como se decide o que sacrificar na vida? Cormac McCarthy conta a história em duas vozes narrativas distintas"