Após a leitura, classificarei os livros assim:
Péssimo [0] Ruim [*] Regular [**] Bom [***] Muito Bom [****] Excelente [*****]

A Montanha Mágica





Thomas Mann
957 Páginas
Editora Nova Fronteira

"Num sanatório na Suíça, reúnem-se indivíduos de várias raças e credos. Aí se entrelaçam problemas, inquietações, sofrimentos de toda ordem. Construído nos anos seguintes à Primeira Guerra Mundial, este romance é o mais completo painel de uma Europa enferma, à procura de uma unidade. Prêmio Jabuti 2001 - Capa e Produção Editorial. Eleito um dos cem livros mais importantes de todos os tempos pelo Círculo do Livro da Noruega".

Luz de Agosto







William Faulkner
448 Páginas
Editora Cosac Naify

"Da atmosfera de violência e horror do Mississippi surgem personagens profundamente humanas: o assassino dilacerado pela herança de sangue; a mulher de família abolicionista hostilizada por uma cidade orgulhosa de seu passado escravocrata; o pastor refém de um passado familiar de violência e glória; o brutal defensor da lei; o casal de velhos atormentados pelo fantasma do neto; o homem solitário que pensou estar livre das desgraças, e dos encantamentos, de amar; a jovem decidida e ingênua. Mas a história não termina aí. Toda a maestria da construção de Luz em agosto se confirma no último capítulo, numa reviravolta narrativa que o consagrou definitivamente".

O Mínimo que você precisa saber para não ser um idiota [****]






Prof. Olavo de Carvalho
615 Páginas
Editora Record

"O Mínimo…” reúne, basicamente, artigos que Olavo publicou em jornais e revistas, inclusive nas revistas “República” e “BRAVO!”, das quais fui redator-chefe — e a releitura, agora, em livro, me remeteu àqueles tempos. Impactam ainda hoje e podiam ser verdadeiros alumbramentos há 10, 12, 13 anos, quando o autor, é forçoso admitir, via com mais aguda vista do que todos nós o que estava por vir. Olavo é dono de uma cultura enciclopédica — no que concerne à universalidade de referências —, mas não pensa por verbetes. E isso desperta a fúria das falanges do ódio e do óbvio. Consegue, como nenhum outro autor no Brasil — goste-se ou não dele —, emprestar dignidade filosófica à vida cotidiana, sem jamais baratear o pensamento. Isso não quer dizer que não transite — e as falanges não o fustigam menos por isto; ao contrário — com maestria no terreno da teoria e da história. É autor, por exemplo, da monumental — 32 volumes! — “História Essencial da Filosofia” (livros acompanhados de DVDs). Alguns filósofos de crachá e livro-ponto poderiam ter feito algo parecido — mas boa parte estava ocupada demais doutrinando criancinhas… Há o Olavo de “A Dialética Simbólica” ou de “A Filosofia e seu Inverso”, e há este outro, que é expressão daquele, mas que enfrenta os temas desta nossa vida besta, como disse o poeta, revelando o sentido de nossas escolhas e, muito especialmente, das escolhas que não fazemos" [Reinaldo Azevedo - Veja Online]

David Copperfield [*****]






Charles Dickens
916 Páginas
Edição Kindle

"David Copperfield está para nascer, seis meses após a morte de seu pai. Clara, a mãe, é muito jovem, quase uma criança, e só tem a ajuda da fiel empregada, sra. Peggotty. Betsey Trotwood, uma tia distante que nunca havia visto Clara pessoalmente, aparece pouco antes do parto. É uma mulher excêntrica, temperamental e faz questão de que nasça uma menina. Quando nasce o menino David, ela fica furiosa e parte dali, jurando nunca mais voltar.
O pequeno David é criado pela jovem Clara e por Peggotty, vivendo feliz durante os  seus primeiros nove anos. Nesta época, Clara começa a ser cortejada pelo falso e interesseiro sr. Murdstone. David odeia o namorado da mãe, mas não pode evitar que ela se envolva..."

Suma de Teologia





Tomás de Aquino
Biblioteca de Autores Cristianos
1.020 Páginas

"Entre las innumerables riquezas del pasado teológico sobresale la Suma de Teología de Sto. Tomás. Es la obra cumbre del genio de Sto. Tomás por su originalidad y sistematización de todas sus ideas, pero es también lo más
granado del saber teológico de la Universidad de París en los años de su mayor ebullición intelectual y de la presencia indiscutida de la teología al frente de todos los saberes."

Order and History (Volume 1): Israel and Revelation (Collected Works of Eric Voegelin)







Eric Voegelin
University of Missouri Press
617 Páginas


"Eric Voegelin's Israel and Revelation is the opening volume of his monumental Order and History, which traces the history of order in human society. This volume examines the ancient near eastern civilizations as a backdrop to a discussion of the historical locus of order in Israel. The drama of Israel mirrors the problems associated with the tension of existence as Israel attempted to reconcile the claims of transcendent order with those of pragmatic existence and so becomes paradigmatic".

O Amanuense Belmiro [****]




Cyro dos Anjos
Scribd
164 Páginas

"O narrador se propõe, no início, a contar as suas memórias, um livro sentimental, não um romance, mas lentamente o presente desliza para o primeiro plano e as memórias iniciais se transformam num 'esboço de livro' para, então, ele se tornar um 'diário', que cobre pouco mais de um ano - 1935 - da vida de um amanuense, Belmiro. Desse modo, a natureza romancesca é duplamente ocultada nesse jogo de transformação de memórias em diário, tentando posicionar o leitor no lugar pretendido - no mais íntimo da vida do narrador, que é o próprio livro. Incapacitado de viver e de se entregar ao outro, o amanuense só adquire substância transformando-se em linguagem, só aí ele consegue inventar uma forma de fuga que o mantém vivo."

O Livro dos Mártires [****]






John Foxe
Editora Mundo Cristão
360 Páginas

"O livro dos mártires é um clássico da literatura mundial, ignorado até há pouco tempo pelos cristãos do Brasil. O livro reconta as vidas, os sofrimentos e as mortes triunfantes dos mártires cristãos da História. Iniciando-se com a história do primeiro mártir - o próprio Jesus Cristo - este relato histórico excepcional traça as raízes da perseguição religiosa. Expõe os casos de mártires famosos como John Wycliffe, John Huss, William Tyndale, Martinho Lutero, Thomas Cranmer e muitos outros.
Por que ler esta obra em pleno século 21? Infelizmente o tema do martírio religioso recusa-se a ser relegado aos arquivos da História. É assunto tão contemporâneo quanto as manchetes de hoje. Cristãos em diversos países hoje vivem e defendem a sua fé sob a ameaça de morte. Muitos acabam pagando o preço máximo. E cada uma dessas mortes suscita uma interrogação na consciência de todo cristão: o que eu faria no seu lugar? A reflexão inspirada pela morte dos mártires pode nos levar ao cerne da nossa fé".

A Morte de Ivan Ilitch [***]







Leon Tolstoi
L&PM - Livraria Cultura
112 Páginas

"Esta obra mostra a história de um burocrata medíocre, Ivan Ilitch, um juiz respeitado que depois de conseguir uma oferta para ser juiz em uma outra cidade, compra um apartamento lá, para ele, sua mulher, sua filha e seu filho morarem. Ao ir para o apartamento, antes de todos, para decorá-lo, ele cai e se machuca na região do rim, dando início à uma doença"

Teeteto [****]




Platão
Domínio Público - Biblioteca Digital
78 Páginas

"Este é o diálogo entre Sócrates, Teeteto e Teodoro sobre o conhecimento. A pergunta inicial: o que é o conhecimento? A partir da filosofia de Protágoras, de quem Teodoro é amigo e Teeteto, discípulo, o diálogo se desenvolve, discutindo-se sobre razão e sensação, absoluto e relativismo, e por aí afora".

A inocência do padre Brown [***]







G. K. Chesterton
L&PM Editores
256 Páginas

"A literatura é uma das formas de felicidade; talvez nenhum outro escritor tenha me proporcionado tantas horas felizes como Chesterton." O escritor britânico G. K. Chesterton conquistou legiões de fãs com suas poesias, epopeias, seus artigos jornalísticos, livros de crítica literária e romances. Mas as histórias de mistério protagonizadas pelo Padre Brown compõem a parte mais difundida de sua obra. Ao todo são 52 contos, escritos a partir de 1910 e posteriormente compilados em livros, um dos quais A inocência do Padre Brown, que traz doze histórias. Em A cruz azul – na qual o personagem faz sua primeira aparição e que é conhecida pela peculiar moldura narrativa –, o clérigo de Essex precisa lançar mão de métodos excêntricos para impedir o roubo de um valioso artefato religioso. As reflexões filosóficas que pontuam a ficção de Chesterton e a escolha do método humanístico da intuição em detrimento da dedução garantiram ao Padre Brown um lugar junto aos grandes detetives da literatura, como Dupin e Sherlock Holmes"