Após a leitura, classificarei os livros assim:
Péssimo [0] Ruim [*] Regular [**] Bom [***] Muito Bom [****] Excelente [*****]

Teeteto [****]




Platão
Domínio Público - Biblioteca Digital
78 Páginas

"Este é o diálogo entre Sócrates, Teeteto e Teodoro sobre o conhecimento. A pergunta inicial: o que é o conhecimento? A partir da filosofia de Protágoras, de quem Teodoro é amigo e Teeteto, discípulo, o diálogo se desenvolve, discutindo-se sobre razão e sensação, absoluto e relativismo, e por aí afora".

5 comentários:

Jorge Fernandes Isah disse...

Postei o comentário abaixo e, em seguida, um trecho do que Sócrates diz a Teeteto:

"Lendo o livro Teeteto, de Platão, em que o filósofo Sócrates desenvolve um diálogo com Teeteto e Teodoro a respeito do que vem a ser o conhecimento, deparei-me com o trecho abaixo que me fez refletir sobre o papel do mestre, como o de uma parteira, diametralmente oposto ao entendimento do que vem a ser ensino e estudo massificado pela pedagogia moderna e que tem trazido ao âmbito intelectual e acadêmico uma estagnação jamais vista, onde o pensamento, ao invés de criativo é impositivo e subserviente.

Sócrates trata, em poucas palavras, de como transformar até mesmo tontos em aprendizes de sábios, e alguns em sábios. O conhecimento é mais do que possível, e o filósofo levará o seu pupilo a, mais do que aprender, conhecer e saber como chegar ao conhecimento [entendo que conhecimento não é aprendizado e vice-versa, necessariamente; e o que fazemos há alguns séculos é incentivar a memória e não o discernimento].

Por hora, é apenas um aperitivo, e indico a leitura, simples mas entranhável nos abismos da alma.

Sócrates: 'A minha arte obstétrica tem atribuições iguais às das parteiras, com a
diferença de eu não partejar mulher, porém homens, e de acompanhar as almas, não os corpos, em seu trabalho de parto. Porém a grande superioridade da minha arte consiste na faculdade de conhecer de pronto se o que a alma dos jovens está na iminência de conceber é alguma quimera e falsidade ou fruto legítimo e verdadeiro. Neste particular, sou igualzinho às parteiras: estéril em matéria de sabedoria, tendo grande fundo de verdade a censura que muitos me assacam, de só interrogar os outros, sem nunca apresentar opinião pessoal sobre nenhum assunto, por carecer, justamente, de sabedoria. E a razão é a seguinte: a divindade me incita a partejar os outros, porém me impede de conceber. Por isso mesmo, não sou sábio não havendo um só pensamento que eu possa apresentar como tendo sido invenção de minha alma e por ela dado à luz. Porém os que tratam comigo, suposto que alguns, no começo pareçam de todo ignorantes, com a continuação de nossa convivência, quantos a divindade favorece progridem admiravelmente, tanto no seu próprio julgamento como no de estranhos. O que é fora de dúvida é que nunca aprenderam nada comigo; neles mesmos é que descobrem as coisas belas que põem no mundo, servindo, nisso tudo, eu e a divindade como parteira. E a prova é o e seguinte: Muitos desconhecedores desse fato e que tudo atribuem a si próprios, ou por me desprezarem ou por injunções de terceiros, afastam-se de mim cedo demais. O resultado é alguns expelirem antes do tempo, em virtude das más companhias, os germes por mim semeados, e estragarem outros, por falta da alimentação adequada, os que eu ajudara a pôr no mundo, por darem mais importância aos produtos falsos e enganosos do que aos verdadeiros, com o que acabam por parecerem ignorantes aos seus próprios olhos e aos de estranhos. Foi o que aconteceu com Aristides, filho de Lisímaco, e a outros mais. Quando voltam a implorar instantemente minha companhia, com demonstrações de arrependimento, nalguns casos meu demônio familiar me proíbe reatar relações; noutros o permite, voltando estes, então, a progredir como antes. Neste ponto, os que convivem comigo se parecem com as parturientes: sofrem dores lancinantes e andam dia e noite desorientados, num trabalho muito mais penoso do que o delas. Essas dores é que minha arte sabe despertar ou acalmar.
[continua]

Jorge Fernandes Isah disse...

[...]

É o que se dá com todos. Todavia, Teeteto, os que não me parecem fecundos, quando eu chego à conclusão de que não necessitam de mim, com a maior boa vontade assumo o papel de casamenteiro e, graças a Deus, sempre os tenho aproximado de quem lhes possa ser de mais utilidade. Muitos desses já encaminhei para Pródico, e outros mais para varões sábios e inspirados. Se te expus tudo isso, meu caro Teeteto, com tantas minúcias, foi por suspeitar que algo em tua alma está no ponto de vir à luz, como tu mesmo desconfias. Entrega-te, pois, a mim, como o filho de uma parteira que também é parteiro, e quando eu te formular alguma questão, procura responder a ela do melhor modo possível. E se no exame de alguma coisa que disseres, depois de eu verificar que não se trata de um produto legítimo mas de algum fantasma sem consistência, que logo arrancarei e jogarei fora, não te aborreças como o fazem as mulheres com seu primeiro filho. Alguns, meu caro, a tal extremo se zangaram comigo, que chegaram a morder-me por os haver livrado de um que
outro pensamento extravagante. Não compreendiam que eu só fazia aquilo por bondade. Estão longe de admitir que de jeito nenhum os deuses podem querer mal aos homens e que eu, do meu lado, nada faço por malquerença pois não me É permitido em absoluto pactuar com a mentira nem ocultar a verdade' [pg 10-11]."

Publicado no meu blog: "Guerra pela Verdade".

Jorge Fernandes Isah disse...

Algo que esqueci de colocar no texto inicial[ e acabei por colocar] e que me parece importantíssimo é que, Sócrates, está preocupado em fazer com que Teeteto conheça a realidade, a verdade; e, ainda que seminalmente pois estou no início do livro, ele trata de como conhecê-la. E se fizermos uma relação com este pensamento, chegaremos à conclusão de que somente a realidade é "conhecível" e, portanto, somente ela é verdadeira. O que leva a outra conclusão: Deus somente é conhecido porque é real e verdadeiro, e dele procede tudo o que existe e a verdade, como a conhecemos e a Bíblia assevera categoricamente.

Jorge Fernandes Isah disse...

O que Sócrates descreve como exceção para todos os tempos, anda a tornar-se regra nos últimos cem ou mais anos, e é quase unanimidade nos dias atuais, seja por dolo, seja por ignorância e incapacidade de muitos percebê-lo. Ao mesmo tempo em que Sócrates afirma o "Imago Dei" no homem, ele também descreve que, quanto mais o homem se afasta de Deus e de sua santidade, mais o "Imago Dei" se esvanece, e sucumbe à natureza pecaminosa. Tolos, pensam que não pagarão pelos seus desvios, enquanto uma corja de medrosos alisam sua vaidade.

Vale a pena a reprodução do trecho:

"Sócrates: As demais aparências de habilidade e de sabedoria, quando se mostram no exercício do poder público, são conhecimentos grosseiros, nas artes, vulgaridade. Assim, quando alguém é injusto ou ímpio, por ações ou palavras, será melhor não conceder-lhe que todo o seu êxito se baseia na astúcia, pois esse indivíduo se envaideceria com o reparo, muito ancho por ter ouvido dizer, segundo crê, que não é néscio ou fardo inútil sobre a terra, porém homem como terão de ser os que melhor sabem vencer na vida pública. A esses tais é preciso dizer-lhes a verdade: que são tanto mais o que julgam não ser, quanto menos sabem o que são. De fato, todos eles desconhecem qual seja o castigo da injustiça, o que menos do que tudo não se pode ignorar. Não é o que todos pensam; castigos corporais e morte, de que os malfeitores muitas vezes escapam, sendo penalidade a que ninguém se exime.

Teodoro: A que penalidade te referes?

Sócrates: Na própria ordem das coisas, amigo, há dois paradigmas: um divino e bem-aventurado; outro, contrário a Deus e miserabilíssimo. Porém nada disso eles percebem; a enfatuação e a demência em grau máximo os impedem de sentir que com suas ações injustas eles se aproximam do segundo e cada vez mais se afastam do primeiro. São castigados pela vida que levam, conforme ao modelo de sua preferência. E se lhes dizemos que se não renunciarem àquela habilidade, depois de mortos não serão recebidos no local estreme de maldades e aqui em baixo terão de levar vida conforme seu caráter; os maus convivendo com a maldade; tudo isso eles escutam, sabidíssimos e astuciosos, como palavreado vazio, de pessoas desprezíveis".

Jorge Fernandes Isah disse...

Sócrates, discorrendo acerca de verdadeiras e falsas opiniões, ligadas diretamente ao fato de se conhecer e reconhecer ou não a realidade, aponta ao sábio e ao tolo, sem confundi-los, em diálogo com o jovem Teeteto [a alusão de Sócrates à cera, refere-se ao ato de, antigamente, uma pessoa imprimir a sua marca em uma borra de cera aquecida, ficando nela, o dístico que a identifica]:

"Sócrates - Em resumo: acerca do que nunca se soube nem nunca se percebeu, não é possível, me parece, nem enganar-se, nem formar opinião falsa, se for realmente saudável nossa proposição. Mas justamente nas coisas que sabemos e que percebemos é que a opinião vira e se muda, ficando, a revezes, falsa e verdadeira; quando ela ajusta direta e exatamente a cada objeto o cunho e sua imagem, é verdadeira; será falsa, quando os a de través e obliquamente.

Teeteto - Tudo isso, Sócrates, não está maravilhosamente exposto?

Sócrates - Falarás com maior entusiasmo, ainda, quando ouvires o seguinte. Pensar com acerto é belo; pensar erroneamente é feio.

Teeteto - Como não?

Sócrates - A diferença entre ambos, dizem, provém disto: quando a cera que se tem na alma é profunda e abundante, branda e suficientemente amassada, tudo o que se transmite pelo canal das sensações vai gravar-se no coração da alma, como diz Homero, aludindo a sua semelhança com a cera, saindo puras as impressões ai deixadas, bastante profundas e duradouras os indivíduos com semelhante disposição aprendem facilmente e de tudo se recordam e sempre formam pensamentos verdadeiros, sem virem jamais a confundir as marcas de suas sensações. Sendo nítidas e bem espaçadas todas as impressões, com facilidade põem em relação cada imagem com a correspondente marca, as coisas reais, como lhes chamam. São esses os denominados sábios. Não te parece que está certo?

Teeteto - Maravilhosamente certo.

Sócrates - Quando o coração de alguém é veloso, qualidade decantada pelo poeta sapientíssimo, ou de cera carregada de impurezas, ou muito úmida ou muito seca, as pessoas de coração úmido, aprendem depressa mas esquecem facilmente, e ao revés disso as de coração por demais seco. As de coração veloso, áspero e pedrento, devido à mistura de terra e de espurcícia, recebem impressões pouco claras, por carecerem de profundidade.
Igualmente pouco nítidas são as de coração úmido; por se fundirem umas com as outras, em pouco tempo ficam irreconhecíveis. E se além de tudo isso, por exiguidade de espaço, ficarem amontoadas, mais indistintas se tomarão; os indivíduos desse tipo são propensos a emitir juízos falsos, pois quando veem ou ouvem ou pensam, falta-lhes agilidade para relacionar de imediato cada coisa com sua marca peculiar; são morosos, trocam as coisas, veem e ouvem mal e, no mais das vezes, pensam errado. Daí serem chamado ignorantes e dizer-se que sempre se enganam com a realidade".

Durante anos, vivi assim, como o ignorante mais cego da própria ignorância e condição de tolo, mas desde a minha conversão, posso dizer que Cristo tem me aproximado da verdade, ainda que eu claudique e insista, por vezes, em permanecer na irrealidade.

A ele, honra e glória eternas!