Após a leitura, classificarei os livros assim:
Péssimo [0] Ruim [*] Regular [**] Bom [***] Muito Bom [****] Excelente [*****]

Em Defesa da Teologia [****]


Gordon H. Clark
116 páginas

"Ao longo dos séculos, a teologia cristã tem tido muitos oponentes, tanto cristãos como arreligiosos, cuja incredulidade varia grandemente nos detalhes, mas, ao que parece, todos se apegam a uma ideia comum: intelecto e religião são antitéticos. Este livro visa a esses oponentes da teologia cristã.
Os irreligiosos, os ateístas, acreditam que a mente pertence à ciência, a qual, segundo eles, é o método mais confiável, senão o único, para se descobrir a verdade. Os ateístas são complacentes com as fraquezas do povo religioso, desde que não reivindiquem que as suas crenças são a verdade. Verdade e teologia, segundo os ateístas, nada têm em comum.
Os oponentes religiosos da teologia cristã, os modernistas e os neo-ortodoxos concordam com os ateístas que o intelecto e a religião nada têm a ver um com o outro. A religião verdadeira, dizem eles, consiste de estados de consciência, de sentimentos de temor, mistério, dependência absoluta e da apreensão do sagrado. Esses oponentes religiosos da teologia cristã ensinam que a verdade é pessoal, não proposicional, para não dizer não bíblica. O encontro pessoal, não o entendimento nem a informação revelada verossímil, é o coração da religião.
O terceiro grupo, ao qual este livro visa, é o dos membros de igreja influenciados tanto por ateístas como por neo-ortodoxos, e que, por isso, simplesmente ignoram a teologia cristã. Eles não se opõem ativamente à teologia, como os ateístas e os neo-ortodoxos, mas consideram-na como desimportante.
O Dr. Gordon Clark apresenta a todas essas pessoas uma defesa inteligente e irrefutável da teologia cristã. Deus revelou-se em palavras organizadas em proposições lógicas. Somos obrigados a entender e a crer em tais palavras. Não há nenhuma outra maneira para se conhecer a verdade e obter a vida". 

3 comentários:

Jorge Fernandes Isah disse...

Fiquei pensando o que escrever sobre o livro do Clark... na verdade, isso acontece quando o material é muito ruim, e pouco ou quase não se tem a falar do livro. Então, tecemos uma teia de críticas, muitos e muitos comentários apontando os vários erros e desvios que o autor cometeu, ou, simplesmente, abandonam-mo-lo.

Acontece o contrário com este livro do G. Clark. Para ressaltar todas as coisas revelantes que ele diz, teria de transcrever todo o livro ou boa parte dele, o que é improdutivo, e representaria um prejuízo para a editora (rsrs), além de ser antiético e ilegal.

Clark é tão bom que praticamente tudo o que escreve é imprescindivel. Ainda que de uma forma não-exaustiva, todos os pontos abordados por ele são elucidados e deixados claros, de maneira a não deixa dúvidas.

Já havia lido vários textos dele no Monergismo e no blog que o Felipe dedicou exclusivamente ao pensamento do "Agostinho da América", mas a leitura de um livro integralmente é muito mais produtiva e nos remete ao entendimento de todo o pensamento do autor sobre aquele tema.

Mas uma coisa é evidente no pensamento de Gordon Clark: a fidelidade à Escritura como a revelação inspirada e inerrante do Deus vivo; assim como o reconhecimento da impossibilidade do conhecimento da verdade, Cristo, fora da Bíblia.

Outro ponto interessante, e que se assemelha a muito ao que o Cheung defende, é a irracionalidade do movimento evangélico atual, sua busca por sensações e desprezo à lógica e razão, da mesma forma que desprezam a teologia e o estudo, como se pudessem tecer algum pensamento religioso, crença ou fé (mesmo os mais errôneos) sem "alguma" teologia; ainda que seja um discurso não-teológico, ele não passa de uma falácia.

Muito interessante a análise que Clark faz da neo-ortodoxia, especialmente, sobre a teologia de Barth e Brunner, e sua influência sutil em muitas mentes e muitos púlpitos.

Portanto, o que posso assegurar é que, Gordon Clark, e o "Em Defesa da Teologia" é um livro altamente recomendado.

Não deixe de ler!

Osmar Neves disse...

Prezado Jorge, Graça e Paz!

Caro, tenho a impressão de que qualquer elogio que façamos ao Gordon Clark pode ser também uma forma de subestimá-lo, hehehe. Corremos o risco de não sermos suficientemente justos. Profundo, didático, lógico, acessível, bem-humorado e principalmente bíblico. Lamento profundamente que Gordon Clark não tenha sido apresentado ao público brasileiro há mais tempo, pois vivenciamos hoje na Igreja brasileira uma busca e superestima pelo místico e irracional, inclusive em igrejas históricas e acredito que isso se deva em parte à negligência das editoras nacionais por não publicarem material dedicado à defesa da racionalidade da fé. Depois que descobri o Clark, fiquei profundamente irritado com as editoras calvinistas (em especial a Cultura Cristã) por não terem publicado nada dele até hoje. Graças a Deus pelo ministério Monergismo! A Cultura Cristã está procurando se redimir e lançará (segundo o editor Cláudio Marra irá demorar um pouco) uma história da filosofia escrita pelo Clark: "De Thales a Dewey". Alguns filósofos evangélicos norte-americanos (Ronald Nash por exemplo) colocam essa obra como a melhor história da filosofia em língua inglesa em um único volume. Vamos aguardar!

Jorge Fernandes Isah disse...

Osmar,

ótima nóticia de que a CEP publicará, finalmente, uma obra do Clark. Eu já havia lido, não sei onde, que eles estavam preparando a publicação do livro.

A Ed. Monergismo está em vias de publicar outro texto do G. Clark também.

Há uma lacuna muito grande entre as editoras evangélicas a ser preenchida. Bahnsen, por exemplo, ainda encontra-se inédito no Brasil [a Monergismo, em breve, deve publicar um livro].

Oremos para que Deus supra a Sua igreja no Brasil de material ortodoxo de qualidade, e de autores essenciais à verdadeira compreensão da fé cristã/bíblica.

Grande abraço, meu irmão!

Obrigado por seu comentário.