Após a leitura, classificarei os livros assim:
Péssimo [0] Ruim [*] Regular [**] Bom [***] Muito Bom [****] Excelente [*****]

Humildade - Verdadeira Grandeza [***]






C. J. Mahaney 
Editora Fiel
143 páginas

Deus afirma claramente que olha para os humildes. Ele também deixa claro que se opõe aos orgulhosos. A humildade e o orgulho são características que não podem coexistir. Onde uma é encorajada, a outra é derrotada. Qual delas você cultivará?
C. J. Mahaney pinta um impressionante quadro da
batalha diária que acontece silenciosa e violentamente no íntimo do
cristão. Ele pergunta se você pretende acomodar passivamente o inimigo
de sua alma, o orgulho; ou cultivar, com vigor, a sua melhor amiga, a
humildade. Quando você reconhece o engano do orgulho e se humilha,
torna-se livre para receber as abundantes misericórdias e graças
inigualáveis. Você descobrirá que possui uma nova vida - uma vida que
Deus favorece ricamente. Uma vida que glorifica a Deus, a qual você não
deesejará perder"

Um comentário:

Jorge Fernandes Isah disse...

Por quê ler um livro com o título "Humildade"?

A quase totalidade do que leio é material que escolho e compro. Neste caso, o livro de C.J. Mahaney foi um presente do meu pastor.

Até fiquei pensando: Será que ele acha que preciso dessa leitura? E acabei por certificar-me de que sim, todos precisamos entender a nossa condição diante de Deus e nossos semelhantes. Então, esperei terminar alguns livros e comecei a lê-lo.

Normalmente a diferença de livros cristãos para livros de auto-ajuda seculares (sejam pretensamente científicos ou não), de uma forma geral, diferem pouco. Usa-se de artifícios e técnicas que disponibilizarão o leitor a aperfeiçoar-se naquilo que o autor propõe auxiliar. Nesses casos, usa-se a Bíblia para justificar os conceitos apresentados, não o contrário: buscar nela aquilo que resultará na cura e solução do problema.

Este livro, ainda que tenha alguns conselhos pessoais, e mesmo alguns métodos que o pr. Mahaney utiliza em seu dia-a-dia, difere dos normalmente chamados "livros de edificação cristã".

O que lemos são perspectivas a partir da Palavra, a partir dos exemplos bíblicos, ainda que alguns deles sejam transferidos para o nosso cotidiano.

De tudo, o mais importante, é a necessidade de nos sujeitarmos a Deus; de reconhecermos o Seu senhorio, majestade, suficiência, poder, glória, autoridade; reconhecermos a nossa total dependência dEle, e de que, se não fosse pelo Seu infinito amor, o nosso destino seria o inferno, a condenação.

Quando olhamos para Ele, vemos a real medida do que somos: miseráveis, tolos, pobres, nus e pecadores. Apenas pelo Seu chamado, pela obra salvífica de Cristo na cruz do Calvário, e a regeneração dada pelo Espírito Santo, somos feitos Seus filhos; sem Ele, nossa existência seria desgraçadamente atormentada.

Dois pontos altos do livro são os comentários sobre a 1a. Carta de Paulo aos Coríntios, e o livro de Habacuque. Se não fosse pelo restante do livro, somente essas duas exposições valeriam a compra do exemplar.

Na epístola, Mahaney nos mostra como Paulo tratou com amor a igreja pecadora de Corinto. Como a sua exortação (dura é verdade) representava o amor que tinha pela igreja, pois não lhe escapava a obra que Cristo fizera e ainda fazia no seu meio. Paulo não foi contemporizador do pecado, exorto-o, e chamou os irmãos para as práticas do Evangelho, mas não se relacionou com a igreja com soberba e desprezo.

No livro de Habacuque, vemos a relação entre o sofrimento, a angústia e a suficiência divina em nos consolar, nos fortalecer e nos dar a graça de crermos que os Seus santos propósitos acontecerão inevitavelmente, de que Deus não está alheio nem dormindo enquanto seus filhos sofrem.

O livro é permeado por testemunhos do pr. Mahaney, que muito bem ilustram a aplicação dos princípios bíblicos na vida cristã.

Um livro escrito de maneira simples e objetiva, que consumi aproximadamente em 6 horas, divididas em dois fim-de-tarde; o qual recomendo.

Como o nosso Senhor disse: "Porquanto qualquer que a si mesmo se exaltar será humilhado, e aquele que a si mesmo se humilhar será exaltado" (Lc 14.11).